fbpx

A importância da biosseguridade na produção de suínos

O termo biosseguridade é amplamente conhecido quando se fala em produção animal, entretanto a atenção para este conjunto de ações voltadas à biosseguridade vem ganhando importância cada vez maior, principalmente, se pensarmos nos últimos anos em que o conceito de Saúde Única (One Health) vem ganhando força. Este conceito visa a redução do uso de antimicrobianos e seu uso consciente, pensando sempre na saúde e bem estar dos animais, visando a saúde humana e saúde pública, portanto tratando-se de medidas preventivas.

No Brasil, a preocupação com a biosseguridade começou a ser discutida em meados da década de 80, uma vez que empresas de genética iniciaram a transferência de material genético para cá, trazendo o conceito da necessidade de praticar ações de biosseguridade. Nesta mesma época o Brasil apresentou quadros de PSA, e somente com medidas de biosseguridade, bem como adoção de medidas sanitárias, foi possível erradicar a doença do país. os programas de biosseguridade ganharam mais evidência a partir dos anos 90.

Além disso, em suinocultura o conceito de biosseguridade ganhou ainda mais força em 2009, quando houve a Pandemia do vírus Influenza (IAV) H1N1, onde se tinha ainda algumas incertezas por parte da Food and Agricultural Organization of the United Nations (FAO) e World Organisation for Animal Health (OIE) sobre o papel do suíno na disseminação da doença. Hoje, já é de comum conhecimento que apesar do suíno ser a espécie que apresenta um maior potencial de recombinações do IAV, é o humano responsável em transmití-lo ao suíno. Em decorrência disso, foi dada prioridade no desenvolvimento de ferramentas, visando o controle de transmissão entre os suínos, a transmissão entre granjas e incluindo perdas econômicas.

Outro ponto de destaque ao desenvolvimento de programas de biosseguridade se deve em decorrência dos aumentos de desafios sanitários virais importantes nos últimos tempos, como o Vírus da diarreia epidêmica suína (PEDv) Peste Suína Clássica (PSC), Peste Suína Africana (PSA), Síndrome reprodutiva e respiratória suína (PRRS) entre outros agentes de grande importância para a produção de suínos. Todos esses desafios mencionados não temos aqui no Brasil, e a manutenção do status de país livre, depende única e, exclusivamente, de medidas muito bem realizadas relacionadas a um plano de biosseguridade.

Muitos ainda confundem o termo biosseguridade x biossegurança, que, apesar de muito parecidos são termos utilizados em áreas distintas. Biosseguridade, é um termo utilizado em produção animal, que tem como objetivo adotar medidas destinadas para evitar a entrada de agentes infecciosos nos plantéis bem como reduzir a sua propagação uma vez presentes nas granjas. Biossegurança diz respeito à prevenção da exposição a agentes infecciosos e/ ou produtos capazes de gerar doenças aos seres humanos.

Pensando em transmissão de patógenos e introdução deles em granjas de suínos, pode-se dizer que há inúmeras rotas e que se não cuidadas certamente poderão causar inúmeros prejuízos dentro de uma produção (Figura 1), para tanto, o conceito de biosseguridade permite que seja evitada.    

Figura 1. Rotas de transmissão de doenças dentro e foram da produção de suínos.

Nas tabelas abaixo (Tabelas 1 e 2) é possível verificar quais essas rotas teriam maior ou menor impacto de introdução ou disseminação de enfermidades dentro da produção de suínos. Segundo um estudo de Amass et al. (2005), é possível notar que em ordem de importância os aerossóis, dejetos, fômites, pássaros, animais domésticos e selvagens, pessoas, água, sêmen, roedores, insetos e ração são as principais rotas de introdução e transmissão de patógenos dentro de granjas. Em um outro estudo realizado através da análise de percepção de produtores de suínos na Espanha, as cinco principais medidas em ordem de relevância para ser reforçada medidas de biosseguridade são: presença de rodolúvio, restrição de visitas, cerca ao redor da granja, animais de reposição (origem e quarentena) e tela nas aberturas para proteção contra pássaros (Casa et al., 2007), sendo a reposição de animais, na percepção deles menos importante que os três (3) primeiros itens reportados.

Um ponto importante a ser implementado principalmente em sistemas de múltiplos sítios de produção, é definir através de análises epidemiológicas, quais desafios cada granja possui no intuito de criar pirâmides sanitárias, contribuindo com menores desafios, pois a mistura de leitões será menor e será realizada de acordo com os desafios sanitários em comum (Figura 2). 

Figura 2. Sistema de produção em múltiplos sítios, pensando em formação de pirâmides sanitárias, no intuito de compartimentalização da produção, evitando introdução de agentes patogênicos em outras unidades de produção.

Fonte: FAO, 2010

Portanto, para que seja garantido um bom programa de biosseguridade quatro (4) passos são sugeridos para o entendimento e a determinação de um melhor programa para a unidade de produção em questão (Figura 3):

  • Passo 1: Avaliação da parte externa da granja e cuidados para entrar na granja (presença de quarentenário, controle de qualidade de insumos, placas entrada da granja comunicando ser uma área restrita / biosseguridade, qualidade da cerca, cuidados no embarque ou chegada dos animais, controle de pessoas, controle de caderno ponto, necessidade de tomar banho, trocar de roupa, entre outros).   
  • Passo 2: Avaliação da parte interna da granja e externa aos barracões (controle de roedores, cuidados com ambiente externo, presença de outras espécies animais, entre outros).
  • Passo 3: Observar instalações / baias (qualidade das instalações, ambiência, manejo de limpeza e desinfecção, lotação, condição sanitária do plantel, entre outros).
  • Passo 4: Observar o indivíduo (verificar qual percentual de desafios e em quais fases de produção estão presentes, no intuito de verificar quais medidas e ações necessárias a serem implementadas pensando em redução de disseminação e/ou potencialização do quadro clínico, bem como impedir a introdução de algum agente ainda não presente).

Figura 3. Passos para desenvolver um bom programa de biosseguridade dentro de uma unidade de produção.   

Tendo todos esses passos avaliados de uma forma bem criteriosa, certamente um bom programa de biosseguridade será desenvolvido, o qual deverá ser cumprido à risca, revisado frequentemente e adequado de acordo com os novos desafios presentes.  

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *