fbpx

Circovirose suína associada à miosite granulomatosa necrotizante

A infecção pelo PCV2 está associada a diversas apresentações clínicas, incluindo a manifestação de desordens sistêmicas e reprodutivas, enterites, dermatites, nefropatias, pneumonias e doença subclínica. De forma geral, as lesões histopatológicas são observadas em órgãos linfoides, mas existem diversos relatos sobre alterações nos rins, intestinos, estômago, fígado, pulmões, coração e sistema nervoso central (Segales et al, 2012). Uma vez que os mecanismos patogênicos do PCV2 são complexos e existem diversos genótipos em circulação, é possível que existam outros sinais clínicos e lesões associados à doença.

O estudo liderado por Konradt et al., (2018), investigou três surtos de circovirose suína em granjas do Rio Grande do Sul, onde os leitões apresentaram lesões musculares severas. Os animais eram oriundos de sítios de recria/terminação e vacinados contra PCV2 e Mycoplasma hyopneumoniae. O surto afetou 90 suinos, entre 80 e 120 dias de idade, os quais manifestaram apatia intensa, perda de peso, diarreia e cianose de orelha, abdômen e extremidades. Dos afetados, cerca de 33% apresentaram marcha rígida, fraqueza muscular, paresia dos membros posteriores e decúbito.

Doze leitões foram selecionados para a eutanásia. À necropsia, observou-se que todos os animais apresentavam lesões compatíveis com infecção por PCV2, diagnóstico que foi posteriormente confirmado pela histopatologia e imunohistoquímica. Em quatro animais, detectou-se áreas pálidas, multifocais a coalescentes nos músculos esqueléticos correspondentes aos membros torácicos, pélvicos e lombares. Microscopicamente, a lesão foi caracterizada como miosite graunulomatosa necrotizante, com presença de intenso infiltrado de macrófagos e células gigantes multinucleadas nos sarcoplasmas. De acordo com os autores, a lesão muscular foi provocada diretamente pelo PCV2, uma vez que se detectou o vírus no sarcoplasma de miócitos e em macrófagos musculares, pelo ensaio de imunohistoquímica.

A partir das observações e dos resultados laboratoriais, concluiu-se que os sinais clínicos locomotores e a miosite granulomatosa necrotizante, podem ser considerados como outra forma de expressão da infecção pelo PCV2 em suínos.

Referências bibliográficas

Konradt, G., Cruz, R. A. S., Basuino, D. M., Bianchi, M. V., Andrade, C. P., Silva, F. S., Driemeier., Pavarini, S. P. Granulomatous Necrotizing Myositis in Swine Affected by Porcine Circovirus Disease. Veterinary Pathology,  2018, Vol 55 (2) 268-272.

Segalés, J. Porcine circovirus type 2 (PCV2) infections: Clinical signs, pathology and laboratory diagnosis. Virus rsearch, 164, 2012, 10-19.

Conheça a MSD Saúde Animal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *