fbpx

Coccidiose e o impacto no desenvolvimento dos leitões

Coccidiose é uma doença causada pelo protozoário Cystoisospora suis, que acomete leitões lactentes, com alta prevalência nas granjas ao redor do mundo. A doença ocasiona diversas lesões como atrofia, necrose e fusão dos vilos, resultando em diarreia não hemorrágica. Apesar de causar baixa mortalidade, a doença tem alta morbidade, afetando diretamente o desempenho dos animais devido à diarreia e coinfecções.(Hinney et al., 2020).

Diversos trabalhos têm mostrado o relevante impacto da coccidiose no desenvolvimento dos leitões. Aliaga-Leyton et al. (2011) reuniram dados de 29 leitegadas de uma granja com alta prevalência de coccidiose, e observaram que as chances de animais infectados com C. suis terem diarreia aquosa é 7,34 vezes maior do que animais não infectados. E como consequência, os animais de leitegadas positivas para C. suis pesaram, em média, 1,4 kg menos às 8 semanas de idade, comparado a animais negativos.  Corroborando com Ózsvári et al. (2018), que encontraram uma diferença de 1 kg nas leitegadas positivas a C.suis quando comparadas às leitegadas negativas. Neste mesmo trabalho, animais tratados com Toltrazuril apresentaram crescimento mais uniforme, com diferença de peso entre 400 g a 1,5 kg ao desmame em relação aos animais não tratados. E este impacto repercutiu nas fases seguintes, com 800g a 3,5 kg a mais ao final do crescimento.

Mesmo sem manifestação clínica, a coccidiose pode causar prejuízos zootécnicos, com relevante impacto econômico. Maes et al., 2007, estudaram 4 rebanhos de suínos, sem diarreia e com detecção de oocistos. Os animais tratados com toltrazuril apresentaram aumento de GPD em 25g nas 3 semanas após o desmame. O tratamento precoce com toltrazuril restringe o dano intestinal em um grau mínimo, o que pode explicar a diferença significativa de ganho de peso em rebanhos positivos sem sinais clínicos (Maes et al., 2007)

As doenças entéricas são fonte de grande preocupação devido ao impacto na performance dos animais. A administração de toltrazuril para os leitões nos primeiros dias de vida é uma ótima forma de prevenção da coccidiose nas granjas comerciais, reduzindo a incidência de diarreia e melhorando o desempenho dos animais. 

Referências

Aliaga-Leyton, A., Friendship, R., Dewey, C. E., Todd, C., & Peregrine, A. S. (2011). Isospora suis infection and its association with postweaning performance on three southwestern Ontario swine farms. Journal of Swine Health and Production19(2), 94-99.

Hinney, B., Cvjetković, V., Espigares, D., Vanhara, J., Waehner, C., Ruttkowski, B., … & Joachim, A. (2020). Cystoisospora suis control in Europe is not always effective. Frontiers in veterinary science7, 113.

Maes, D., Vyt, P., Rabaeys, P., & Gevaert, D. (2007). Effects of toltrazuril on the growth of piglets in herds without clinical isosporosis. The Veterinary Journal, 173(1), 197-199.Shrestha, A., Metzler-Zebeli, B. U., Karembe, H., Sperling, D., Koger, S., & Joachim, A. (2020). Shifts in the fecal microbial community of Cystoisospora suis infected piglets in response to toltrazuril. Frontiers in microbiology, 11, 983.