fbpx

Coccidiose: uma doença que não pode ser subestimada!

Devido à alta intensificação e tecnificação da produção de suínos, algumas doenças demandam uma atenção especial para não gerar prejuízos à indústria. Uma doença que sempre está em evidência é a Coccidiose. A coccidiose é causada pela Cystoisospora suis. Essa doença é importante pois causa redução acentuada no ganho de peso diário dos leitões, além de causar a morte de alguns indivíduos (Lindsay et al, 2019).

Essa enfermidade acomete leitões na maternidade entre 7 e 11 dias de vida. Os sinais clínicos característicos mais comuns da doença é o aparecimento de diarreia amarelada a acinzentada, podendo ser pastosa ou líquida, variando conforme a doença progride. Além disso, os leitões acabam ficam “sujos” com as fezes e apresentam um odor fétido. Com a progressão da doença, os leitões começam a apresentar-se com pelos arrepiados, desidratados e, devido à perda de peso, o escore de condição corporal fica comprometido (Linhares et al, 2012; Lindsay et al, 2019).

A infecção ocorre através da ingestão de oocistos presentes nos pisos das celas de maternidade. Estes podem ter origem a própria matriz, serem remanescentes de outro lote ou ainda podem ter sido carreados por vetores e fômites para a baia afetada. De maneira geral, a contaminação é facilitada pela grande quantidade de oocistos que são excretados no ambiente (Lindsay et al, 2019).

O diagnóstico da doença pode ser realizado através da observação dos oocistos nas fezes dos leitões infectados, assim como também a observação das formas endógenas do parasita nas células epiteliais do jejuno e do íleo. Após diagnóstico confirmado, deve ser realizado a o tratamento preventivo nos próximos lotes, visto que o tratamento terapêutico não é muito eficiente. Adicionalmente, medidas de controle sanitário devem ser utilizadas, tais como: limpeza e completa remoção de matéria orgânica, limitar o acesso dentro das celas parideiras, atuar no controle de roedores e moscas e em últimos casos fazer a utilização de “vassoura” de fogo (Linhares et al, 2012).

Assim, a melhor forma de se evitar a coccidiose é através de um rigoroso controle sanitário do ambiente e além de estratégias preventivas especificas contra a doença.

Linhares G. F. C. et al,. Endoparasitoses (Isospore). IN: Sobestiansky J. & Barcellos D. Doença dos Suínos. 2°Ed. Cap 6, p.454-458, 2012.

Lindsay D. S. et al,. Coccidia and Other Protozoa. IN: Zimmerman J. J. et al., Disease of swine. 11°Ed. Cap 66, p.1015-1019, 2019.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *