fbpx

Futuro incerto para o Óxido de Zinco?

O zinco (Zn) é um nutriente mineral essencial para a saúde e crescimento de leitões e pode ser fornecido com dois propósitos: 1) como elemento essencial em baixas dosagens (100-150 ppm) ou; 2) de forma terapêutica (2400-3000 ppm) para controlar diarreias (Burch, 2014). Muitos trabalhos demonstram que a adição de níveis terapêuticos de Óxido de Zinco (ZnO) em dietas na fase de creche promove a redução e/ou controle nos quadros de diarreia e melhora no desempenho até o desmame (Zhu et al., 2016). Devido a esses benefícios, o ZnO é uma ferramenta amplamente utilizada no Brasil e no mundo em rações de leitões no momento pós desmame, visando a reduzir a ocorrência da Colibacilose Pós-desmame (CPD) e a Doença do Edema, ambas doenças associadas com a bactéria Escherichia coli.

Apesar dos seus benefícios, existem relatos de aumento da resistência de alguns microrganismos quando expostos por períodos prolongados ao ZnO (Casey et al., 2013; Slifierz et al., 2014). Amezcua e colaboradores (2002) relataram uma proporção elevada de granjas com ocorrência de CPD usando altos níveis de ZnO. Vários estudos relataram um aumento na proporção de isolados de E. coli resistentes à tetraciclina e às sulfonamidas em suínos alimentados com altas doses de zinco (Bednorz et al., 2013, Holman et al., 2015). Além disso, a ingestão de altas doses deste mineral provocou um aumento da excreção do mesmo nos dejetos (Heo et al., 2013). Segundo Yazdankhah et al., 2014, o uso de altos níveis em rações levou à contaminação por metais pesados ​​no solo, aumentando as preocupações relacionadas ao meio ambiente. 

Devido a essas preocupações, e como não foram identificadas medidas efetivas para gerenciar o acúmulo de zinco no ambiente, a União Europeia propôs através do Comitê de Medicamentos para uso Veterinário (CVMP) o banimento gradual do uso terapêutico do ZnO em leitões desmamados até 2022 (EMA, 2017). Sendo assim, alguns países da União Europeia já adiantaram esse processo e atualmente já não estão fazendo esse uso terapêutico da molécula, como, por exemplo, a Bélgica. Não é possível predizer se essa regulamentação pode chegar ao Brasil e, se chegar, quanto tempo levará. No entanto, tendo em vista a relevância do uso de ZnO na cadeia produtiva de suínos brasileira, é necessário criar estratégias para substituir o produto casonecessário. Além disso, reforçar o controle dos fatores de risco que favorecem a ocorrência da CPD se tornará cada vez mais essencial na preparação do nosso sistema produtivo para essa possível restrição. 

REFERÊNCIAS

Burch D. The role of zinc for piglet health. In: Piglet Health, www.pigprogress.net, p. 500-503, 201

Zhu C, Lv H, Chen Z, Wang L, Wu X, Chen Z, et al. Dietary zinc oxide modulates antioxidant capacity, small intestine development, and jejunal gene expression in weaned piglets. Biol Trace Elem Res. 2016. 

Vahjen W, Pietruszynska D, Starke IC, Zentek J. High dietary zinc supplementation increases the occurrence of tetracycline and sulfonamide resistance genes in the intestine of weaned pigs. Gut Pathog. 2015;7:23.

Casey, JA. High-density livestock operation, crop filed application of manure, an risk of community-associated methicillin-resistant Staphylococcus aureus infection in Pennsylvania. JAMA Internal Medicine, v. 173, n.21, p. 1980-1990, 2013. 

Slifierz, MJ; Friendship, R; Weese, JS. Zinc Oxyde therapy increases prevalence and persistence os methicillin-resistance Staphylococcus aureus in Pigs: a randomized controlled trial. Zoonoses and Public Health, v. 62, p. 301-308, 2015.

Amezcua R, Friendship RM, Dewey CE, Gyles C, Fairbrother JM. Presentation of postweaning Escherichia coli diarrhea in southern Ontario, prevalence of hemolytic E. coli serogroups involved, and their antimicrobial resistance patterns. Can J Vet R. 2002; 63; 73-8

Bednorz C, Oelgeschlager K, Kinnemann B, Hartmann S, Neumann K, Pieper R, et al. The broader context of antibiotic resistance: zinc feed supplementation of piglets increases the proportion of multi-resistant Escherichia coli in vivo. Int J Med Microbiol. 2013; 303:396–403.

Holman DB, Chénier MR. Antimicrobial use in swine production and its effect on the swine gut microbiota and antimicrobial resistance. Can J Microbiol. 2015; 61:785–98.

HEO, JM. et al. Gastrointestinal health and function in weaned pigs: are view of feeding strategies to control post‐weaning diarrhea without using in‐feed antimicrobial compounds. Journal of Animal Physiology and Animal Nutrition, v.97, n.2, p. 207-237, 2013.

Yazdankhah S, Rudi K, Bernhoft A. Zinc and copper in animal feed— development of resistance and co-resistance to antimicrobial agents in bacteria of animal origin. Microb Ecol Health Dis. 2014.

EMA/394961/2017: Questions and answers on veterinary medicinal products containing zinc oxide to be administered orally to food-producing species. EMA – European Medicines Agency, 2017.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *