Nutrição e manejo do comedouro: Influência na eficiência nutricional

O tipo de comedouro pode influenciar drasticamente o ganho diário, e ajustes no comedouro afetam tanto a eficiência nutricional quanto a taxa de crescimento, de acordo com Dr. Bob Goodband e colegas do grupo de Nutrição de Suínos da Kansas State University. Este paper foi apresentado durante a Swine Profitability Conference 2009.

Frequentemente, o foco de nossos programas nutricionais está na formulação e processamento de rações. Entretanto, a maneira como fornecemos a ração aos suínos também é importante para aumentar a eficiência alimentar e diminuir custos na formulação de rações. Itens como o tipo de comedouro que usamos ou como estão ajustados tem um grande impacto nos lucros finais. Como diferentes tipos de comedouros chegam ao mercado e outros são deixados de lado, precisamos avaliar as novas tecnologias e tomar decisões baseadas em dados, não em seus custos iniciais. Além do mais, à medida que começamos a analisar nossos dados, um fator importante é fazer comparações válidas entre diferentes produtores e fluxos de produção.

Ao fazer comparações entre diferentes produtores é preciso certificar-se de que os devidos ajustes estão sendo feitos para que possamos fazer comparações justas. Como, por exemplo, levar em conta os pesos inicial e final. Outro exemplo envolve a recente alta dos preços da gordura. A gordura foi removida de muitos regimes de dieta de terminação. Entretanto, suínos alimentados com dietas sem gordura serão menos eficientes e, portanto, ao fazer comparações anuais ou trimestrais, isso também precisa ser levado em conta.

Tipo de comedouro

Figura 1. Comedouro seco/úmido

A pesquisa sobre diferentes tipos de comedouros é difícil de ser conduzida em função das despesas da compra do comedouro e das modificações necessárias na granja para acomodar estes tipos de comedouros. Recentemente Bergstrom et al. (2008) realizaram um estudo comparando um alimentador seco convencional com um alimentador úmido/seco (Figuras 1 e 2, respectivamente).

Figura 2. Comedouro seco

Este estudo contou com 46 baias com 27 suínos por baia. O estudo durou 12 semanas. Suínos que foram alimentados no comedouro úmido/seco obtiveram um maior ganho diário, consequência do maior consumo diário. Além do mais, o consumo de água foi maior para os suínos alimentados neste tipo de comedouro. Frequentemente, produtores tomam a decisão de compra levando em conta o menor preço inicial. No entanto, nesta situação, a compra do comedouro seco / úmido mais caro pode provavelmente ser justificada através do cálculo da margem sobre os custos de alimentação.

Tabela 1

Ajuste do comedouro

O ajuste do comedouro é de fundamental importância quando se fala em conversão alimentar. Aumentar a eficiência do desmame ao abate de 2.7:1 para 2.6:1 irá poupar 26 libras (11.8 Kg) de ração. Com uma média do custo da ração de $0.15, significa menos $3.90 gastos por suíno. Por muitos anos, os autores tem recomendado o ajuste de comedouros (Figura 3), no qual aproximadamente 25% do comedouro é coberto com ração.

Figura 3
Figura 3. Ajuste recomendado

Entretanto com os novos tipos de comedouro, essa recomendação pode não funcionar. Na verdade, alguns autores têm se preocupado que este ajuste de ração no comedouro pode reduzir o ganho de peso médio diário. Um estudo recente, (Duttlinger et al., 2008) comparou o desempenho  de crescimento de suínos alimentados com três diferentes configurações de ajuste. Quinze repetições de tratamento foram realizadas com 1.242 suínos durante 10 semanas. Em cada baia foram fornecidos comedouros seco de 60 polegadas longo convencional, com cinco espaçamentos.

Figura 4
Figura 4. Configuração de ajuste

Este comedouro tem cinco ajustes (1-5). Um destes espaçamentos apresenta uma largura maior, enquanto os demais apresentam uma menor largura. As baias foram aleatoriamente designadas para uma das três configurações de ajuste de comedouro (1, 3 e 5) e os ajustes foram estabelecidos durante o inicio do tratamento e não mais alteradas até o fim do experimento. Comedouros com ajuste 1 (a maior abertura) apresentaram uma média de 80% do comedouro coberto de 65 a 95% de (Figura 5). O ajuste 3, teve média de média de 55% coberta de 35 a 75% (Figura 6). Comedouro com o ajuste 1 obtiveram, em média, 15% coberto de 5 a 25% (Figura 7).

Os comedouros também foram marcados diariamente para determinar o número de espaços de comedouro em que a base (panela) do comedouro ficou sem ração. Comedouro com ajustes 1 e 3 não apresentaram problemas com panela do comedouro vazia; no entanto comedouros com 5 espaçamentos teve um total de 92 alimentadores conectados. Isso demonstra que um em cada 10 alimentadores com uma definição de avanço de 5 tinha uma média de um espaço de alimentação conectado a cada dia. Com base nesses resultados, alimentadores com a configuração 3 obtiveram a menor conversão alimentar, custo da alimentação e instalação por suíno. Alimentadores definidas com a configuração 1 teve média de ganho diário semelhante à configuração 3. Entretanto, o desperdício foi maior, aumentando o custo de alimentação e instalações. A configuração 5 restringiu o ganho de peso diário e, portanto, também aumentou o custo da ração e conversão alimentar.

Estes resultados sugerem que para este tipo de comedouro seco, aumentar a abertura permitindo que, em média, 55 por cento do recipiente seja coberto, não vai influenciar negativamente a eficiência alimentar ou o custo da ração total.

Figura 5. Configuração 1- 80% do comedouro coberto com ração
Figura 6. Configuração 3- 55% do comedouro coberto com ração
Figura 7. Configuração 5- 15% do comedouro coberto com ração

Ajustando informações

Cada vez mais os produtores estão usando os parâmetros gerados pela creche ou recria como base para a avaliação da produção. Talvez uma das formas mais fáceis e comuns de crescente manutenção de registros de suínos é feito com o uso de planilhas do Excel. Os dados podem então ser resumir rapidamente em tabelas para subsequente avaliação.

No entanto, existem limitações importantes ao comparar conjuntos de dados grandes tomadas ao longo do tempo ou comparando resultados de diferentes produtores ou produtores dentro de um sistema. Por exemplo, se um produtor tem uma eficiência de alimentação de 2.9: 1 e um segundo tem um 3.0: 1. A diferença entre os produtores é um reflexo apenas na maneira como gerencia sua produção? Um fator a incluir é o peso de saída e o peso de chegada dos suínos. O Produtor 1 pode ter comercializado seus suínos com 270 libras, enquanto Produtor 2 pode ter vendido seus suínos com 290 libras. A diferença no peso final dos animais é um dos fatores que mais influencia a eficiência alimentar. Devido a essa variação, um fator de ajuste de eficiência alimentar é usado. Adicionalmente, a eficiência alimentar deve ser ajustada para diferentes pesos de chegada e de saída e características da dieta como adição de gordura, peletização e em alguns casos, a fonte de grãos que se está utilizando.

Ajustes de Eficiência na Creche

Os dados da Tabela 3. representam um exemplo de ajuste de eficiência alimentar na creche. Os dois criadores apresentam a mesma eficiência. Entretanto, quando levamos em conta que o produtor B apresenta suínos saindo com 18 libras (8.2 kg) a mais, a eficiência alimentar ajustada indica que este produtor tem melhor eficiência.

Tabela 3

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *