fbpx

PCV2: Dicas para o diagnóstico de uma doença multifatorial

“O PCV2 é necessário, porém não suficiente para reproduzir a doença, sugerindo que a circovirose é uma doença multifatorial”

Ao caracterizar uma enfermidade dessa maneira, afirmamos que diversos cofatores infecciosos e não infecciosos são necessários para a manifestação do quadro clínico. Essa característica difere a circovirose suína da Peste Suína Clássica, por exemplo, a qual apenas a presença do agente já é suficiente para provocar uma doença severa. Dessa forma, o diagnóstico definitivo de infecção pelo PCV2 deve combinar os sinais clínicos, a presença do vírus e as lesões macro e microscópicas (Barcellos et al., 2012).

À primeira vista, o que nos induz a pensar que o rebanho está acometido por circovirose suína seriam os sinais clínicos compatíveis com a doença, incluindo a piora no desempenho. Essa identificação é a primeira etapa do processo de diagnóstico. O segundo passo é o envio de amostras para análise laboratorial. Resumidamente, selecionamos leitões nas fases iniciais da infecção, realizamos a necropsia e submetemos órgãos linfóides para análise histopatológica e imunohistoquímica.

E em relação a PCR? De acordo com o Dr. Madison, professor da Iowa State University, a PCR é uma ótima ferramenta para detectar vírus que não deveríamos ter, mas quando o assunto é o PCV2, a história é diferente. Embora a PCR permita a identificação de pequenas quantidades de um patógeno, é menos útil com um vírus como o PCV2, que está em toda parte. Sua mera detecção não se correlaciona, necessariamente, com a doença ou indica ineficácia da vacina. Contudo, a PCR é uma ferramenta útil para desenvolver protocolos vacinais e monitorar o agente no sistema.

Dr. Madison ressalta a importância de avaliar o histórico rebanho e analisar, de maneira criteriosa, o ambiente e o manejo. O diagnóstico das doenças multifatoriais é como a resolução de um quebra cabeça: as peças devem ser colocadas juntas para que uma ação efetiva contra a doença clínica seja assertivamente  desenvolvida.

Conheça a MSD Saúde Animal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *