fbpx

Qual a melhor dosagem de ferro no combate a anemia ferropriva? 

A absorção ineficiente do ferro reduz o número de glóbulos vermelhos circulantes, resultando em anemia e baixo desempenho de crescimento (Kim et al., 2017). Pequenos estoques de ferro ao nascimento, baixos níveis disponíveis no colostro da porca e a rápida taxa de crescimento que ocorre durante a primeira semana de vida do leitão, contribuem para a deficiência de ferro em leitões recém-nascidos, tornando-os mais suscetíveis ao desenvolvimento de anemia ferropriva (Kegley et al., 2002).

Quem está familiarizado com o cotidiano das granjas e os manejos realizados na maternidade sabe que o terceiro dia de vida do leitão é sagrado para a realização de alguns manejos, como o fornecimento de Fe. Quando não realizado, as consequências são negativas e pode resultar na diminuição do peso corporal dos leitões lactentes e nos níveis séricos durante o período de desmame  (Peters e Mahan, 2008).

Um estudo realizado na Universidade do Kansas (Courtney et al., 2017), teve como objetivo entender qual a dosagem ideal de Fe a ser aplicada nos leitões, avaliar a taxa de crescimento e os níveis séricos de Fe e hemoglobina no sangue. Foram utilizados seis tratamentos: o grupo controle (sem administração de Fe), e os demais grupos com dosagens de 50mg, 100mg, 150mg, 200mg e 200mg + 100mg após 11 dias de vida. Os pesquisadores mostraram que a não administração de Fe, resultou em piores níveis de crescimento e uma menor disponibilidade nos níveis hematológicos quando comparados a qualquer dosagem de Fe administrada.  O grupo que recebeu 100mg obteve melhor ganho de peso que 50mg e doses maiores não aumentaram o crescimento dos leitões. Um dos objetivos do trabalho também foi avaliar se a dose única de 200mg comparada com uma adição ao décimo primeiro dia de vida, apresentaria alguma diferença significativa no desempenho dos animais. Contudo, apesar de o grupo que recebeu 200mg + 100mg no 11d ter uma melhora nos níveis hematológicos após o desmame, não foi observado melhoria nos níveis de crescimento durante a fase de lactação, comparado com a administração de 200mg dose única (Courtney et al., 2017).

Apesar de o trabalho concluir que 100mg de Fe aparentemente é suficiente, a aplicação de 200mg continua sendo a melhor opção para suprir a deficiência de Fe, pois é muito comum que haja extravasamento do volume injetado. Leitões de menor tamanho, alto volume de animais a serem manejados, falhas humanas, entre outros pontos, contribuem para isso. Portanto, por se tratar de um tratamento com grande impacto no futuro dos leitões, aplicar a dose correta é essencial para o combate da anemia ferropriva. 

Crane, Courtney; Williams, Hayden E.; Jones, Cassandra K.; DeRouchey, Joel M.; Tokach, Michael D.; Woodworth, Jason C.; Goodband, Robert D.; Dritz, Steven S.; Holtcamp, A. The effects of a Iron/GleptoForte in anemic susceptible piglets.  Animal Sciences and Industry Undergraduate Research Symposium, KSU, Fall 2017.

Kegley, E. B., J. W. Spears, W. L. Flowers, and W. D. Schoenherr. 2002. Fe methionine as a source of Fe for the neonatal pig. Nutr. Res. 22:1209-1217. doi:10.1016/S0271- 5317(02)00434-7. 

Kim, J. C., P. Wilcox, and M. R. Bedford. 2017. Iron status of piglets and impact of phytase 

superdosing on iron physiology: a review. Anim. Feed Sci. Tech. 235:8-14. 

doi:10.1016/j.anifeedsci.2017.11.001.

Peters, J. C., and D. C. Mahan. 2008. Effects of neonatal Fe status, Fe injections at birth, and weaning in young pigs from sows fed either organic or inorganic trace minerals. J. of Anim. Sci. 86:2261-2269. doi:10.2527/jas.2007-0577.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *