fbpx

Micoplasmose: sempre sozinha ou sempre acompanhada?

O M. hyopneumoniae é considerado um dos principais agentes primários de pneumonias. O Complexo de Doenças Respiratórias dos Suínos (CDRS) possui etiologia complexa e multifatorial. Resulta em baixos índices zootécnicos, diminui o peso da carcaça ao abate (Brombilla et al., 2019), além de favorecer a condenação parcial ou total da carcaça. Os causadores dessas infecções podem ser classificados em agentes primários e secundários. Os principais agentes bacterianos envolvidos são: A. pleuropneumoniae (App), causador de pleuropneumonia, M. hyopneumoniae (Mhyo), agente da pneumonia enzoótica, P. multocida (PmA), responsável por pleurites e junto com B. bronchiseptica, causam rinite atrófica, H. parasuis (Hps) causador da doença de Glasser e Streptococcus suis que causa pneumonia e pleurite.

Morés (2015) analisou 36 lotes comerciais de suínos, com idade entre 100 e 180 dias de vida e com sintomas respiratórios graves, onde 74% foram positivos para Mhyo e em 58,8% foram identificados mais de um agente etiológico. Amostras positivas para Mhyo tiveram tendência maior em serem positivas também para PmA. Quando presente, a PmA aumentou a severidade das lesões, demonstrando seu importante papel no agravamento de lesões causadas por outros agentes. Este resultado ratifica o papel da PmA como principal agente secundário na pneumonia enzoótica dos suínos e no CDRS. Isso pode ser explicado porque a resposta imune induzida contra Mhyo pode ter uma dupla ação: a resposta imune local, resultando em uma reação inflamatória patológica ou imunossupressão local, explicando a natureza crônica das patologias quando associadas (Saade et al., 2020). Por outro lado, nas infecções por App, frequentemente observamos a forma subaguda ou crônica da doença, com baixa ou nenhuma mortalidade, especialmente na presença de tratamentos com antimicrobianos. Porém, quando associados à Mhyo, ocorre a evolução da patologia e presença dos sinais clínicos (Pepovich et al., 2017). Ações mais efetivas são necessárias para prevenir e reduzir a prevalência dos quadros clínicos nas granjas e diminuir as perdas econômicas causadas pela alta mortalidade e condenações de carcaça.

REFERÊNCIAS

Brombilla, T., Ogata, R. A., Nassar, A. F. D. C., Cardoso, M. V., Ruiz, V. L. D. A., & Fava, C. D. (2019). Effect of bacterial agents of porcine respiratory disease complex on productive indices and slaughter weight. Ciência Animal Brasileira20.

MORES, N., MORES, M., de OLIVEIRA FILHO, J. X., REBELATTO, R., KLEIN, C., COLDEBELLA, A., & de BARCELLOS, D. E. S. N. (2015). Complexo das doenças respiratórias dos suínos (CDRS) em cinco estados brasileiros. Embrapa Suínos e Aves-Comunicado Técnico (INFOTECA-E).

Pepovich, R., Nikolov, B., Hristov, K., & Genova, K. (2017). Pathological observation in pigs naturally infected with Mycoplasma hyopneumoniae. Bulgarian Journal of Veterinary Medicine20(1), 338-344.

Saade, G., Deblanc, C., Bougon, J., Marois-Créhan, C., Fablet, C., Auray, G., … & Meurens, F. (2020). Coinfections and their molecular consequences in the porcine respiratory tract. Veterinary research51(1), 1-19.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.