fbpx

Pneumonia Enzoótica Suína (PES) – Caso clínico

A Pneumonia Enzoótica Suína (PES), causada pela bactéria Mycoplasma hyopneumoniae, é uma das principais enfermidades respiratórias dos suínos. A bactéria é encontrada na mucosa respiratória, aderida ao epitélio ciliado da traqueia, brônquios e bronquíolos (Stevenson, 1998). Dessa forma, destrói o tapete mucociliar que é o principal mecanismo de defesa inespecífico do trato respiratório, predispondo os suínos à infecções por patógenos secundários (Ciprian et al., 1988; Debey & Ross, 1994; Thacker et al., 1999).

Esta enfermidade afeta suínos de todas as idades, entretanto, animais na fase de crescimento e terminação apresentam sinais clínicos da doença com maior frequência. A transmissão ocorre por contato direto, indireto e através de aerossóis eliminados durante os acessos de tosse (Conceição, 2006). A Pneumonia Enzoótica Suína apresenta baixa mortalidade, porém alta morbidade, onde o principal problema são as perdas econômicas decorrentes de quedas na produtividade, que podem chegar a 20% sobre a conversão alimentar e até 30% sobre o ganho de peso, dependendo da gravidade das lesões e das infecções secundárias (Sobestiansky et al., 1999).

​Trata-se de uma doença infecciosa crônica classificada como uma broncopneumonia catarral que geralmente cursa com complicações broncopulmonares purulentas e que se manifesta clinicamente por tosse seca, corrimento nasal mucoso, pelos arrepiados e sem brilho e atraso no crescimento (Sobestiansky et al., 1999).

O diagnóstico presuntivo pode ser realizado pela conjunção dos sinais clínicos e dos aspectos macroscópicos e microscópicos das lesões (Ahrens & Friis, 1991; Ross & Stemke, 1995; Done, 1996). No tratamento deve ser preconizado o uso de antimicrobianos que a bactéria seja sensível. Além disso, a vacinação é uma forma eficaz de prevenir a doença, assim como controle de densidade e ambiência dentro das instalações.

? Marina Lopes Mechler Dreibi, Carlos Alberto Pereira Júnior, Henrique Meiroz de Souza Almeida

Escrito por Gustavo Schlindwein

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *